Área Restrita

Notícias do Site:

CLIC :---------->   Ofertas da Semana!      @ Ultimas Noticias     
00:00:00

Homem corta patas de cachorro e o joga em instituição de cuidado animal « voltar


Data: 31/05/2017
Local:


A crueldade humana contra os animais continua atingindo níveis cada vez mais chocantes. Em Iporá, um município do estado de Goiás, um homem cortou as patas dianteiras de um cachorro e em seguida jogou o animal no terreno de uma associação de protetores de animais. A violência foi tão grande, que quando os protetores encontraram o cão ele já estava morto.

O caso foi denunciado pelos protetores que fazem parte da associação onde o cão foi deixado. De acordo com Ramon Queiroz Rodrigues, delegado responsável pela ocorrência, o crime aconteceu no último sábado (27).

O delegado informou ainda que o responsável pelo crime, que foi reconhecido e identificado por meio de imagens de câmeras de segurança, confessou tudo, mas que foi liberado após ser ouvido e deve responder em liberdade. Segundo informações, o homem relatou em seu depoimento que cometeu o crime porque estava bastante incomodado com os latidos do cachorro. “O homem confessou que mutilou as patas do cachorro e o deixou em uma associação que cuida de animais abandonados porque não aguentava os latidos. Ele jogou o cachorro lá, mas o bicho ficou agonizando até morrer. O pessoal da associação, ao encontrar o cachorro, viu que ele já estava morto e denunciou a situação”, informou o delegado Ramon Queiroz Rodrigues.

Além do animal mutilado, o criminoso afirmou em seu depoimento que no mesmo dia também matou outro cão com uma paulada na cabeça.

De acordo com o delegado, ainda não se sabe se os cachorros assassinados pelo homem eram de rua ou não, mas nenhum tutor apareceu para dar queixa. A Polícia Civil apreendeu o objeto que o homem utilizou para agredir e ferir os animais, um podão, instrumento que tem um ferro cortante em uma das pontas e é usado geralmente para podar plantas. O homem deve responder pelo crime de maus tratos e mutilação animal e pode pegar até um ano de prisão.

 

 

Fonte: G1