Área Restrita

Notícias do Site:

CLIC :---------->   Ofertas da Semana!      @ Ultimas Noticias     
00:00:00

Tragédia da barragem em Minas acende alerta nas mineradoras do Sul « voltar


Data: 28/01/2019
Local:


São 60 mortos, 305 desaparecidos e uma tragédia humana e ambiental que choca o Brasil e o Mundo. O rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, Minas Gerais, no início da tarde da última sexta-feira, levantou uma onda de alertas. Um deles chegou ao Sul de Santa Catarina. As barragens da região são seguras?

 

A Defesa Civil tratou de emitir uma nota, ainda na sexta-feira, assegurando que “as barragens de contenção de cheias em Santa Catarina não oferecem riscos para a população. São estruturas com finalidades diferentes”. 

 

Mas há mineração em Santa Catarina, tanto quanto em Minas Gerais. A região de Criciúma responde por importante percentual da lavra nacional de carvão mineral. E as mineradoras da região possuem barragens para armazenar os rejeitos da extração.

 

Qual o efetivo risco na região

 

O portal Spotnicks publicou neste fim de semana um vídeo no qual apresenta, com base em um relatório da Agência Nacional de Águas, uma relação de barragens de rejeitos de minério que estariam sob risco Brasil afora. De Santa Catarina é citada a Barragem Novo Horizonte, em Lauro Müller, de responsabilidade da Carbonífera Catarinense.

 

“O risco é muito pequeno disso acontecer. São barragens diferentes. As nossas, na verdade, são bacias de decantação, feitas e administradas sob o rigor de todas as regras do Departamento Nacional de Produção Mineral”, assegura o diretor executivo do Sindicato das Indústrias de Extração de Carvão de Santa Catarina (Siecesc), Fernando Zancan.

 

Foi nessa barragem que ocorreu, em 2015, um caso de vazamento de rejeito que atingiu o Rio Tubarão, gerando um posterior alerta ambiental à empresa. “Aquilo foi rapidamente contornado. Foi um pouco de água suja que vazou da área de armazenamento de rejeito, nada a ver com qualquer rompimento de barragem”, esclarece.

 

Barragens muito menores

 

“A barragem de Brumadinho tinha 12 milhões de metros cúbicos de rejeitos. Nossa maior barragem de mineradora aqui da região tem no máximo 250 mil metros cúbicos. São muito menores”, observa Zancan. A barragem de Lauro Müller citada no relatório conta com capacidade menor ainda, para 64 mil metros cúbicos. Toda mineradora possui barragens como estas bacias próximas de seus lavadores. Na região, além de Lauro Müller, há estruturas semelhantes em Siderópolis e Treviso. “E com segurança garantida, elas contam com sirenes e planos de ação”, destaca.

 

Diferenças de lá para cá

 

Zancan explica, ainda, que há uma diferença básica entre os modelos de barragens que torna muito baixo o risco aqui na região. “As nossas são de circuito fechado, a água entra, decanta o rejeito e volta para o beneficiamento. Nas nossas não há problema de entrada de água. As de Minas, como essa que rompeu, são como vales, eles fecham um vale para isso. Nas nossas, o material é retirado para outros locais. E na nossa não entra água de rio”, resume.

 

O diretor do Siecesc entende que, a partir da descoberta das reais razões do ocorrido em Brumadinho, todas as regras para liberação de barragens no Brasil passarão por mudanças. “Haverá seguramente um novo protocolo. Tudo o que aconteceu, além de trágico com as perdas humanas, é uma mácula que vai sangrar por anos para a mineração”, reconhece.

 

CTCL sugere à Vale

 

O Centro Tecnológico do Carvão Limpo (CTCL) da Satc está desde sábado debruçado no episódio de Brumadinho. “Nossas equipes estudam a adaptação para Brumadinho de um estudo que fizemos na Suíça para as nossas minas daqui, de mapeamento de áreas atingidas por rejeitos para rápida localização de casas e pontos onde podem haver vítimas”, revela Zancan. 

 

“Temos quatro empresas aqui da região que já fizeram essa simulação, com importantes resultados”, acrescenta. Nos próximos dias o estudo deve ser apresentado a engenheiros da Vale, para uma possível e posterior aplicação no terreno da tragédia em Minas Gerais.

 

Empresa emite nota

 

A empresa Carbonífera Catarinense, de Lauro Müller (SC), emitiu nota, no início da tarde desta segunda-feira (28), tratando da segurança das barragens de mineração da empresa. Uma delas, a Novo Horizonte, foi citada pelo site de informações Spotniks como área de alto risco. A reserva tem capacidade, segundo a publicação, para 64,629 m³ de rejeitos. 

 

Na nota, a empresa afirma que as duas barragens, Novo Horizonte e Boa Vista, estão em fase de desativação, sendo que a segunda já totalmente aterrada.

 

Além disso, a Carbonífera Catarinense afirma que "as estruturas foram vistoriadas em novembro de 2018 pelos órgãos competentes" e "cumpre as exigências por parte do órgão fiscalizador, incluindo o protocolo do Plano de Atendimento de Emergências para Barragens de Mineração (PAEBM)".

 

Confira a nota na íntegra:

 

A Carbonífera Catarinense Ltda. vem a público prestar esclarecimentos a respeito das barragens de mineração da empresa no município de Lauro Müller (SC). Ambas as barragens estão em fase de descomissionamento (desativação). A barragem Novo Horizonte atualmente encontra-se com apenas 4,5% da área original em operação, em uma área de aproximadamente 100 m². Já a barragem Boa Vista não se encontra mais em operação e está totalmente aterrada. As estruturas foram vistoriadas em novembro de 2018 pelos órgãos competentes. A companhia atende todos os requisitos legais estabelecidos na Portaria Nº 70.389/17 para barragens de mineração, bem como cumpre as exigências por parte do órgão fiscalizador, incluindo o protocolo do Plano de Atendimento de Emergências para Barragens de Mineração (PAEBM) nas Prefeituras Municipais e Defesa Civil dos municípios de Lauro Müller, Orleans, Pedras Grandes, Tubarão e Laguna para ambas as barragens, além do Comitê de Bacias do Rio Tubarão, Tubarão Saneamento, Agência Nacional de Mineração (ANM) e  Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA).